Responsive image


Ensaios de sociologia da ciência,
de Robert K. Merton.
Editora 34/Associação Filosófica Scientiæ Studia, 2013.

304pp.
Formato 145x225mm
ISBN: 9788561260088
Preço: R$ 54,00


Organizada por Anne Marcovich e Terry Shinn, que também assinam o posfácio, esta coletânea reúne algumas das mais emblemáticas contribuições de Robert K. Merton (1910- 2003) à sociologia da ciência. O livro divide-se em três partes, que abarcam estudos sobre a influência exercida por fatores externos à ciência na Inglaterra do século xvii e no século xx, as bases teóricas da sociologia do conhecimento e o éthos e a hierarquia social da ciência. Desse modo, oferece uma visão ampla da posição intelectual e disciplinar do autor, apresentando tanto suas pesquisas empíricas e intervenções no debate público, como seus fundamentos teóricos e conceitos centrais. O volume encerra-se com uma leitura crítica atual, feita da perspectiva de uma sociologia da ciência altamente especializada, que mesmo ali onde o supera, é herdeira do legado de Merton.

 

Robert King Merton nasceu em 4 de julho de 1910, filho de uma família de judeus russos que havia imigrado para os Estados Unidos anos antes. Desde cedo, ele descobre a literatura, as artes e a ciência, frequentando as instituições públicas da Filadélfia do Sul. Conhece a sociologia nos cursos de George E. Simpson no Temple College e continua os estudos na Universidade de Harvard, onde é assistente de Pitirim Sorokin, conhece Talcott Parsons, estuda com George Sarton e defende sua tese sobre a ciência e a tecnologia na Inglaterra do século xvii. A partir de 1941, até a aposentadoria em 1978, na Universidade de Columbia, torna-se uma figura basilar da sociologia, ocupando inúmeros postos de liderança acadêmica, como o de diretor associado do Bureau of Applied Social Research, e a presidência da Associação Americana de Sociologia. Com os estudos sobre a estrutura social, nos quais desenvolve sua teoria de médio alcance baseada em dados empíricos, torna-se reconhecido como um dos luminares da sociologia funcionalista norte-americana. As pesquisas sobre a organização social da ciência, publicadas em livros e numerosos artigos, consagram-no como o fundador da sociologia da ciência. Pelo conjunto da obra, recebe muitos prêmios nacionais e internacionais, sendo um dos primeiros sociólogos eleitos para a Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos e o primeiro agraciado com a National Medal of Science, em 1994. Merton faleceu em Nova York, em 2003, aos 92 anos de idade.