Responsive image


A significação do ceticismo filosófico
de Barry Stroud.
Associação Filosófica Scientiæ Studia, 2020.

480pp.
Formato 145x225mm
ISBN: 978-65-86595-01-7
Preço: R$ 95,00

Lançamos agora, neste ano tão incerto de 2020, A significação do ceticismo filosófico, de Barry Stroud, que já é um clássico da filosofia contemporânea. Nele, o filósofo leva o ceticismo a sério, entendendo o seu desafio como o grande obstáculo a ser superado pela filosofia.

Stroud examina várias respostas que foram dadas a esse desafio, mostrando que nenhuma é satisfatória e defendendo a correção condicional do ceticismo. Seu propósito, contudo, reside em iluminar nossa condição humana e nossas práticas epistêmicas, sem recorrer a uma teoria filosófica, mas pelo exame minucioso da própria pergunta levantada pelo cético. O livro contém uma breve introdução e um extenso Guia de Estudos elaborados por Plínio Smith, com o intuito de ajudar o leitor a seguir a complexa argumentação, além de questões de entendimento dos capítulos elaboradas por Oswaldo Porchat.




Barry Stroud (1935-2019), um dos mais influentes filósofos dos últimos 50 anos, foi professor na Universidade da Califórnia, Berkeley, de 1963 a 2016. Seu principal interesse reside nas questões epistemológicas, ligadas ao nosso conhecimento do mundo exterior, e nas questões metafísicas, como a realidade das cores, o estatuto das necessidades modais e causais e a objetividade dos valores morais. Suas reflexões com frequência se baseavam no estudo de um filósofo, seja clássico (Descartes, Hume e Kant) ou contemporâneo (Moore, Wittgenstein e Carnap). Nesse sentido, sua obra está enraizada na tradição filosófica. Stroud também discutiu vários importantes filósofos analíticos da atualidade, entre eles Davidson, Fogelin, McDowell, Quine e Strawson, oferecendo, dessa forma, uma visão ampla e crítica da própria filosofia analítica.